Pessoas

Tentando organizar a bagunça demilhares de fotos no meu computador, me deparei com as imagens que ilustramesse texto.

São pessoas. Pessoas presentesnos meus arquivos de fotos, pessoas que um dia foram tão íntimas a ponto deestarem no meu arquivo de fotos! Pessoas que hoje se tornaram estranhas,distantes e quase desconhecidas. Algumas, sequer me lembro quem são.

A vida é engraçada. É a metáforaperfeita de uma estrada, pela qual caminhamos desde quando nascemos.

Essa estrada possui curvas,ladeiras, abismos e desvios. Por ela, atravessamos tempestades, ondas de calor,gelo e neve e algumas vezes uma brisa suave e doce aparece para afagar nossoscabelos…

Aprendemos com as dificuldades.Muitas vezes, as pernas doem, os pés quase sangram e maldizemos a estrada.Imploramos para que fique suave, para que surjam atalhos. Outras vezes, oterreno se torna tão paradisíaco, que esquecemos o quão árido já foi um dia.

Não há possibilidade de retornos. Até tentamos! Damos alguns passos para trás de quando em vez, mas a vida – ops, a estrada – torna a nos empurrar para frente. Infelizmente alguns desistem, interrompem o caminho muito antes dele terminar. Outros insistem em manipular o tempo. Não aceitam que passe e tentam a todo custo, remover as marcas do envelhecimento. Uma minoria ainda, quer acelerá-lo, antecipando problemas e preocupações. Quanta bobagem! A verdade é que não temos controle. O tempo se vai, independente de nossas vontades.

Há até aqueles que resolvemparar. Abandonam-se na estrada, em estado de paralisia, sem andarem para frenteou para trás. Não é opção, sinto lhes dizer, a própria vida irá empurrá-los.

Descobrimos sabores, cheiros etexturas. Algumas esquinas, nos fazem rever nossos conceitos, nos mudam decabeça para baixo. Outras dão saudades, saudades de quando não éramos o quesomos agora.

Mas os grandes influenciadoresdessa estrada, não são os acidentes geográficos, a temperatura ou a paisagem.São as pessoas. São essas da foto, que agora, parecem figurinhas…

São rostos que podem virarhistórias dentro da nossa biografia, ou apenas vagas lembranças. São almas quenos contaminam, influenciam e às vezes, têm até o poder de mudar nossoscaminhos. Por trilhas mais fáceis – ou não.

Alguns desses rostos escolhemos,outros nos são impostos. Amamos, gostamos, detestamos. Mas é inegável queaprendemos. Por mais mínimo que tenha sido seu papel, em algum momento, fizeramparte de nossa estrada.

Meu caminho me levou para longede grande parte dessas pessoas. Certamente, alguns eu não irei rever novamente.Outros me acompanharão, independente da distância. Com cada um aprendi, mesmoque algumas lições tenham sido doloridas.

No final, colocando todos assim, em perspectiva, no mesmo recorte de uma fotografia ¾, vejo que não há melhores ou piores. Bonitos ou feios, ricos ou pobres. São apenas figurinhas, poeiras de estrelas que um dia brilharam nas galáxias, segundo várias linhas filosóficas.

Grãos infinitamente minúsculonessa imensidão universal. Mas, porém, contudo, todavia, tiveram, em algummomento, impacto na minha vida. Isso os faz gigantes e me leva a conclusão, deque os encontros pessoais são os fatos que verdadeiramente impactam a nossavida.

Que eu possa adicionar mais figurinhas na minha estrada….

E como diria o gênio Guimarães Rosa:

O mais importante e bonito do mundo é isso: que as pessoas não estão sempre iguais, mas que elas vão sempre mudando.

Seguimos.

PS.: Há muito mais rostinhos no meu arquivo, mas a tecnologia exigiu que muitos ficassem de fora, porém continuarão arquivados! 😉

Andanças por aí: seres humanos, a melhor parte!

Fiz uma viagem recente à Charleston, Carolina do Sul. Vi coisas lindas e interessantes, aprendi um bocado sobre história norte-americana, tirei muitas fotos, tomei sol na praia e blá blá blá. Poderia ficar aqui me exibindo e detalhando o que qualquer busca no google pode te mostrar e que também detalharei em breve no blog Brasileiras pelo Mundo, mas ao invés disso quero falar de encontros.

Isso mesmo, encontros! Tive dois momentos únicos nessa viagem que valem um post. O primeiro foi em um entardecer na deslumbrante praia de Folly Beach. Um píer destinado aos pescadores segue em direção ao mar, e a sensação de ver o sol se pondo no oceano, em profundo silêncio e acompanhada de quem mais amo já serviu para valer o dia.

IMG_0033
Píer de pescadores na mágica Folly Beach – Carolina do Sul

Mas estávamos em um dia de sorte e teve mais. Na saída do píer notei um belo casal, ele pintava a nanquim em um cavalete e ela estava sentada sobre uma canga colorida cercada de cartas de tarot. Não resisti e parei para puxar conversa…. ele foi criado na mesma cidade que moro hoje, Fairfax VA e anda pelo mundo pintando, desenhando e criando. Uma vida dura, como a de todo artista que ainda não encontrou seu lugar ao sol. Ela tirava cartas e me pediu que escolhesse uma. Fiquei impressionada por ouvir coisas tão coerentes a meu próprio respeito.

Um casal jovem, bonito, desses que fogem às regras e as convenções a que estamos acostumados. Senti emanar deles uma liberdade que desconheço. Apesar das dificuldades que certamente eles enfrentam, eles seguem firmes naquilo que acreditam. Arte.

O trabalho dele, Aaron Burke, é impressionante. Um traço ágil, forte e uma imaginação infinita. Foi um encontro rápido, emoldurado por uma paisagem deslumbrante e que certamente me trouxe um enriquecimento que carregarei comigo, melhor que qualquer souvenir de lojinhas.

Na noite seguinte estávamos caminhando pelas ruas já vazias de Charleston, iluminadas por uma lua que parecia um sol. Procurávamos fantasmas e estávamos justamente fotografando túmulos do belo cemitério da Igreja quando surgiu outro casal. Policiais fardados, típicos americanos desses que você imagina comendo donuts e tomando café.

O homem chegou de mansinho e em um gesto surpreendente perguntou se poderia assustar meu marido, que estava distraído nas fotografias de terror. Achei graça e começamos a conversar. Logos estávamos falando do Brasil e de nossas vidas e qual não foi a minha surpresa quando a policial feminina arriscou umas frases em português! Ela me contou que havia passado o Natal de 2013 no Rio de Janeiro, na casa de uns amigos. Tirou o celular do bolso e me mostrou orgulhosa as fotos da viagem, de uma ceia de Natal em uma comunidade pobre de algum morro carioca. Me disse que esses amigos eram mais que especiais e que os conheceu pois a filha deles tinha sido assassinada em Charleston pelo ex-marido americano, que continua foragido. Essa policial se envolveu na história, ficou íntima da família, a ponto de viajar para o Rio e se hospedar com eles. Disse para mim que não vai desistir de encontrar o culpado e que cuidou pessoalmente de toda a burocracia que um caso desses envolve, prestando apoio irrestrito à família.

IMG_0105-2
Noite de lua cheia em Charleston, cheia de surpresas e encontros

 

Veja só minha gente: dois casais representando os opostos de uma sociedade. Os “hippies”livres e de espírito artístico e os militares uniformizados. Dois casais que em noites seguidas me mostraram o que é humanidade, o que é simpatia, o que é ser solidário ao outro. Dois casais que têm freqüentemente seus papéis execrados nessas redes sociais de ódio e verdades absolutas  (hippie vagabundo e militar opressor).

Sou feliz por estar construindo na minha vida uma rede de amigos que é diversificada. Odeio as panelinhas, odeio as posições estanques que as pessoas se colocam, julgando e condenando os diferentes. Procuro andar pelo mundo de olhos abertos e coração também e sou agraciada por isso recebendo de presente encontros assim, tanto de policias americanos imponentes, quanto de hippies belíssimos no píer. Ambos me mostrando em sua plenitude que ao final somos todos igualmente  seres humanos.

Em tempos de trevas e ódio pelo mundo chega a ser ridícula a repetição da famosa frase cafona: mais amor, por favor. Porém não vejo outra saída que não a da tolerância, a do respeito e fim de julgamentos preconceituosos.

Março já acabou e a Primavera por aqui segue a todo vapor. Esses encontros foram minhas lições de Páscoa e aí? Quais foram as suas?

Até a próxima…. 😉

 

 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑