Fechamento de um ciclo 

Coincidência? No dia que começa o outono, transição entre as minhas duas estações favoritas (Summer-Fall) eu finalizo um ciclo. Foram três anos vivendo na Virginia, três anos em que aprendi mais do que 40! 

Deixar meu país, minha família e amigos e um terreno conhecido e seguro, ainda que complicado, para recomeçar tudo de novo em outro idioma, outro clima, outras paragens foi um grande desafio. 

A dor que senti ao ver minha casa querida, desmontada e cheia de caixas esperando pelo caminhão, será para sempre um marco na minha vida.  Aquela Gabriela, a Gabi da Granja (por eu morar na Granja Viana em São Paulo e ser conhecida assim por alguns amigos) morreu. 

Não me reconheço mais naquela vida que tinha, nos pensamentos e opiniões que cultivava, nos valores que eu acreditava.

Mudar de país implica em uma mudança profunda, que afeta o nosso âmago. Muito mais que cortar o cabelo ou até trocar de marido! Abala as nossas estruturas e nos faz pensar de uma forma diferente de tudo que aprendemos em uma vida inteira. 

A Virginia me ensinou isso. Cheguei aqui no inverno e nunca tive uma recepção calorosa, nem por parte do clima, nem por parte do povo. Meu primeiro inverno se resumiu a dias de infinita solidão, onde só conversava com minhas filhas. Medo de sair, medo de falar, medo de explorar. A primeira primavera chegou e tudo começou lentamente a florescer (que metáfora mais clichê, eu sei!). Vi um dos maiores espetáculos da minha vida, que são as cerejeiras em flor em Washington DC e jamais esquecerei o encantamento que tive ao andar embaixo daquele teto de flores.

Finalmente a temperatura esquentou e me surpreendi com a linda baía de Chesapeake. Seus caranguejos gigantes, por do sol inesquecível e os deliciosos vinhos brancos. O calor chegou até a sufocar, até a mim, que sou amante das altas temperaturas.

Com isso a chegada do outono trouxe uma surpresa agradável, dias ainda mais lindos e milhões de folhas trocando de cor. Sinto muito Brasil, mas esse espetáculo você não consegue fornecer aos teus.

O outono no hemisfério norte é pura magia! Nunca pensei que houvessem tantos tipos de maçãs, cenouras e abóboras. Tantas feiras, festivais e comidas maravilhosas…

E assim foi meu primeiro ano, de encantamento, saudades e surpresas. Outros ciclos vieram e tudo já não era novidade. Conheci pessoas, descobri costumes e lugares e vi que conseguiria  sim, viver muito bem longe do meu Brasil.

A Virginia me ensinou a ser forte, me mostrou que amigos verdadeiros e constantes são realmente muito poucos, quase únicos. Me ensinou a eu ser a minha própria companhia, nos cafés, exposições de arte e outros tantos eventos  que estive sempre sozinha. Me ensinou que um sorriso e uma gentileza nem sempre são sinais de amizade, e que a formalidade estará acima de qualquer coisa, mesmo entre brasileiros.

O lugar é lindo, as estações são encantadoras mas não há aquele calor dos afetos que eu sempre estive acostumada a ter. A mais valiosa das lições que recebi foi que aprendi a viver sem isso e aprendi a entender que tudo bem pessoas serem assim. Nascemos sozinhos e assim morremos. 

Hoje passei o dia quase todo sozinha. Em uma casa já vazia, observando o vai e vem das caixas no caminhão. Muito tempo de reflexão, nesse pórtico maravilhoso, acompanhada apenas dos passarinhos e da marmota simpática que vive no meu jardim. 

Meus vizinhos me surpreenderam com uma dose de carinho e cuidado que não tive nem no Brasil. Uma amiga mais que querida, e muito muito especial veio me levar pra almoçar. Ela sabe quem é e eu serei eternamente grata ao seu carinho….

Mais uma lição da Virginia, não importa a quantidade e sim a qualidade! E isso eu tive de sobra de poucos bons amigos.

E assim eu me despeço como o Verão….deixando o Outono entrar e trazer a renovação de minha própria paisagem, agora em outras paradas. Seattle here I go…. 

Obrigada Virginia! 

Maternidade – um banho exagerado de doçura

Ainda é maio e me permito continuar pensando na data mais melosa do calendário: o dia das mães e seu excesso de amor e doçura.

Aqui nos EUA a comemoração coincide com a do Brasil e somos sufocados por todos os tipos de apelos publicitários. Além disso, somos obrigados a lidar com a enorme pressão que vem das mídias sociais. Não basta ser filho, não basta ser mãe. Faz parte do jogo da vida contemporânea expor ao máximo nossas intimidades, numa espécie de competição velada: quem teve o dia das mães mais bonito? Quem demonstra mais o seu amor? Quem é a mãe perfeita?

Ok, sei que que estou sendo insuportável, mas é que ando cansada desse vácuo existente entre vida real e vida virtual. Não pensem que me excluo dessa onda: basta ver meu perfil no Instagram.

O problema é que tudo isso gera uma demanda por perfeição. E nós, seres humanos complexos, estamos longe, bem longe de sermos plenos e cheios de filtros como mostra a vida do facebuki.

Ser mulher implica em tantas escolhas e ser mãe é apenas uma delas – ou não. Eu, por exemplo, não escolhi ser mãe. Fui surpreendida aos 17 anos de idade e embarquei na aventura. Recebi minha filha de braços abertos com o máximo de cuidado e responsabilidade cabíveis em uma menina de 17 anos. Errei, sofri, acertei, perdi e ganhei. Não foi uma estrada fácil, aliás não é e não será nunca. Mas acho que gostei da brincadeira e quis repetir. Oito anos depois me planejei com tudo que tinha direito e fui mãe novamente, dessa vez com marido, casa e enxoval personalizado.

A família parecia completa e finalmente achei que era o momento de sossegar e investir em tantas coisas que tiveram que ser adiadas. Mas quem disse que somos nós que planejamos a vida? Veio mais um bebê para a conta, sem aviso prévio! Eu era já uma mulher experiente de 30 anos e ainda assim engravidei de novo, no susto.

Depois disso nem preciso dizer que meu marido correu e fechou a fábrica definitivamente!

Mas para que digo tudo isso? Eu sou a prova viva que ser mãe às vezes, independe da nossa vontade. Quando era adolescente e inconsequente, ok, até é esperado uma gravidez indesejada, mas e depois? Quando já era uma balzaquiana?

Claro que poderia optar por não ter, mas eu pessoalmente, já sinto a vida pulsando dentro das minhas entranhas no primeiro exame de sangue e isso para mim Gabriela, não seria uma opção que eu fosse capaz de encarar.

Não julgo quem o faça! Respeito e acho que da vida e do corpo de cada um, ninguém -nem presidente, nem papa, nem pastor – tem direito de meter a colher. (Alerta de tema ultra polêmico! Espero ter deixado bem clara minha posição…)

Só acho que nós mulheres merecemos um descanso verdadeiro dessa sublimação toda. Entendo as mamães de primeira viagem e seus encantamentos descomunais. Entendo as relutantes em ceder à maternidade, entendo as que amam um playground, como admiro as que detestam e preferem mil vezes viagens de negócios.

O que não entendo e que já encheu a paciência é essa necessidade insuportável de se definir tudo em moldes e regras.

Claro que isso faz parte da natureza humana, mas de uns tempos pra cá, com a vida virtual democratizando todo e qualquer achismo, está ficando muito chato.

Tem manual para tudo! Parto normal? Que absurdo! Parto cesariano? Que anti-natural! Papinha orgânica? Coisa de vegano chato! Saquinho de doritos no lanche escolar? Essa mãe deveria ser processada!

Desde quando permitimos tantas “verdades” embasadas em achismos nas nossas vidas?

A vida passa e rápido! Minha filha mais velha já tem 24 anos. Cresceu dançando Carla Perez e comeu muito miojo. Hoje revejo certas escolhas e provavelmente faria diferente, mas ela sobreviveu! Tem um conhecimento absurdo sobre arte e se alimenta com um cuidado impecável. Não virou “funkeira” nem comedora compulsiva de Big Mac. E mesmo se fosse assim, qual o problema?

Estamos nessa vida em um mesmo barco, cuja única certeza é um fim cada vez mais próximo. Por que então tanta energia gasta em julgamentos, achismos e uma disputa louca por verdades absolutas?

Sou mãe e gosto do meu papel. Isso não significa que às vezes eu não me ressinta por não ter dedicado mais tempo à uma carreira profissional. Isso não quer dizer o quanto às vezes preciso e amo estar sozinha, sem ninguém dependo de mim. Somos uma montanha russa de emoções, sentimentos e vontades e deixar que outros nos ditem caminhos é o maior desserviço que poderíamos fazer por nós mesmos.

Acho que mais do que nunca, com o mundo gritando por ajuda, é preciso que a maternidade resulte na formação de adultos conscientes e preparados para as adversidades, porque vou te dizer uma coisa: do jeito que caminham as coisas a vida não dará tréguas nem sossego para as próximas gerações.

Errem, acertem, experimentem e não acreditem em fotos ou cenas perfeitas de “my stories”. A vida é infinitamente maior e mais surpreendente que isso.

Vamos em frente com mais realidade e menos virtualidade. O que você acha?

 

 

 

Que venham as flores….

Já chegou a Primavera por aqui e essa será a minha terceira desde que deixei o Brasil. Engraçado, tenho 41 anos e só passei a apreciar e esperar pela Primavera desde que vim para cá. Claro que o inverno longo e monocromático, é um dos grandes responsáveis por isso, mas não quero atribuir essa espera somente ao frio do norte.

Eu mudei. Não só de endereço e país, mas mudei algo dentro de mim. Não me atrevo a dizer que foi para melhor, porque isso seria ser simplista demais. Nunca gostei de resumir as coisas entre isso ou aquilo.

Fiquei mais reflexiva e com isso perdi um pouco da leveza. Explico: no conforto da minha terra e da minha língua era muito mais fácil ser comunicativa. Podia falar o que pensava, usar as referências todas da minha infância, as piadas internas da minha geração, que todo mundo saberia o que eu estava querendo dizer.

Aqui tudo passa por um filtro. Primeiro o da língua…como traduzir meus pensamentos e ideias em inglês? Depois o comportamental e social, qual será a reação, saberão entender o que estou falando? E finalmente o da relevância, pois já que tudo tem que ser pensado e mastigado, sempre penso se vale a pena tal esforço e muitas vezes opto simplesmente por me calar.

Conseguem perceber como pode ser exaustivo? Claro que isso muda algo dentro de você. E não é só isso…

Viver imersa em outras culturas e valores me fez me questionar o tempo inteiro quais são os meus verdadeiros valores. O que me move? O que  é importante para mim?

No Brasil gostava de comprar sapatos. Ok, sei que é um exemplo frívolo mas serve bem para ilustrar. Ter um sapato novo em um almoço com as amigas, ou em um compromisso de trabalho era sempre um motivo a mais para uma conversa, mesmo que fosse das mais fúteis: uau! Que sapato bacana!

Aqui eu experimento a sensação de ser transparente. São tantas pessoas, de tão diferentes lugares e com tão diversas bagagens, que você se torna apenas mais um. Todos parecem que olham através de você. Me sinto uma parede de vidro, que ninguém  nota, quanto mais olha para os meus sapatos.

Saindo dos sapatos e partindo para algo muito mais substancioso como a vida, percebo que de onde vim (São Paulo) há uma pressão constante pelo “parecer”. A lista é infinita, vai desde ter o carro mais sofisticado ao comportamento descolado de só usar bike e carregar uma sacola reciclável.

Estamos sempre querendo pertencer, seja ao grupo da escola, do trabalho ou dos amigos. A sociedade que nos molda, parece exigir isso de nós. Quando somos recolocados em um meio desconhecido ao nosso e ao qual, definitivamente NÃO pertencemos, experimentamos uma liberdade gigante de finalmente ser o que quisermos.

Isso é bom. E muda muito nossos conceitos. Não é privilégio de um país de primeiro mundo. Novamente vamos fugir da tentação de banalizar as coisas. Trata-se apenas de uma das vantagens de ser estrangeiro.

Digo isso porque noto os mesmos comportamentos equivocados de tentar pertencer, que eu via e fazia em S. Paulo, dentro de pessoas que nasceram aqui, ou foram criadas aqui nos Estados Unidos.

Isso é tão curioso percebem? Conseguimos ser mais livre e mais autênticos dentro de grupos que desconhecemos, mesmo que a gente se sinta extremamente desconfortável, com a língua, com os hábitos, com a cultura…

A intimidade cobra um preço alto: o de sempre representar o papel que esperam que a gente faça. Imagine aquela festa de família, que te deu mais trabalho para escolher o que vestir do que qualquer outro evento, afinal o que sua tia e seus primos iriam pensar….

Dito isso, vou para um outro ponto. Viver fora NÃO nos faz melhores. Leio e escuto infinitos depoimentos de ex-patriados e em todos há sempre aquela pitada de arrogância: “ah, como hoje eu sei muito mais do que aqueles que ficaram na mesma”.

Eu também caí nessa armadilha. Mas o deslumbramento se esvai depois de três anos (no meu caso) e começa a se formar uma ideia mais realista: Eu não melhorei, eu não evoluí. Eu apenas fui exposta a novas experiências que transformaram meu modo de pensar e confesso, a Gabriela de antes me faz uma falta imensa.

É difícil lidar com a ausência de nós mesmos, com aquilo que fomos e acreditamos um dia e hoje não mais. Dói se sentir um peixe fora d’água em grupo de antigos amigos e parentes, onde nada daquilo, nem mesmo as piadinhas de sempre, parecem fazer sentido.

Como tudo, a realidade não é plana, é cheia de curvas, subidas e descidas e determinar as coisas entre branco e preto é um engano lamentável que estamos sempre cometendo.

A vida é cíclica, como as estações. Muitas vezes é preciso paciência para esperar o tempo certo das coisas. E assim volto à primavera e a metáfora do que ela representa: renovação.

Viver aqui, nesses dois anos iniciais foi como atravessar um inverno rigoroso, com surpresas desagradáveis e um frio que não passava, causado pelo desconforto da solidão e a saudades de tudo que me era familiar. Estou finalmente pronta pra podar meus galhos e deixar a Primavera entrar de novo em minha vida, anunciando uma nova fase.

Terei que abrir mão de muita coisa (mais ainda do que já tive), mas tudo com a esperança de me ver renovada e cheia de cores novas. Viver, pode ser sim, uma delícia! A gente só precisa ter coragem para jogar fora o que não serve mais e abrir o peito e o coração para uma nova estação.

Que venham as flores… 😉

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

50 tons de laranja

 

50 tons de laranja….

Laranja sempre foi uma das minhas cores favoritas, alegre, vibrante, cheia de energia! Além de remeter à fruta, que pela combinação de simplicidade e riqueza é uma das maiores bênçãos da natureza.

Infelizmente deixei de ser fã da cor, desde o início do ano passado, por razões um tanto óbvias. Laranja também pode remeter ao “fake”, ao bronzeado ridículo e artificial e também àqueles que inocentemente (ou não) se prestam a fazer papéis escusos para defenderem poderosos.

Você sabia que uma escala tonal pode ser composta por infinitas graduações de cor, e não é só o cinza que apresenta essas nuances todas.

Usando um pouco da ironia como estilo de escrita, já que em tempos estranhos é melhor falar em entrelinhas, vou propor um teste, para saber em que tom de laranja você se encontra. Cada resposta afirmativa aumenta o seu tom cítrico.

  • Você acredita ferozmente que suas opiniões (sobre tudo) correspondem à verdade absoluta?
  • Você acha que o único caminho a Deus e à salvação religiosa é através da sua crença pessoal e todas as outras estão equivocadas?
  • Em uma roda de amigos, ou em feeds de redes sociais, você sempre quer ter a palavra final?
  • Você despreza todos que tem visão política diferente da sua?
  • Você abomina o aborto, mas fecha os olhos para as milhares de crianças em situação de miséria extrema e risco de vida dentro do seu país?
  • Você defende que “cidadão de bem” possua arma para se defender e matar quando for preciso?
  • Você se diz tolerante aos gays, mas desde que eles expressem suas escolhas bem longe de você e de seus filhos?
  • Você acha que “ser gay” é fruto de uma má influência da mídia e dos tempos atuais?
  • Você respeita as mulheres, mas concorda que a culpa de estupros, traições e sexismo é sempre delas mesmas?
  • Você abomina a visão política da esquerda?
  • Você despreza a visão política da direita?
  • Você acredita que o mundo é bipolar, dividido claramente entre bons e maus, petistas e coxinhas, anjos e demônios, sem nada entre eles?
  • Você repete frases como: “bandido  bom é bandido morto?
  • Você acredita que todo favelado é bandido? (ou que todo muçulmano é terrorista?)
  • Você acha que o Sudeste (e sobretudo S. Paulo) carregam o Brasil nas costas e deveriam existir barreiras físicas contra a migração nordestina?
  • Você acredita que o esforço individual é o único fator responsável pelo sucesso (ou fracasso), sem considerar o contexto social?
  • Você defende uma cidade limpa, onde qualquer manifestação artística tem que ser substituída por cinza? Afinal de contas está se cuidando da saúde pública e uma coisa tem tudo a ver com a outra coisa, assim como borboletas, sereias e maionese e inclusive verba pública!!….

Pois é, eu poderia continuar essa lista infinitamente, mas paro por aqui. Viu só como temos mais laranja dentro de nós do que imaginamos (eu inclusive!). Em uma escala ou outra, essa é a cor do momento e não se trata de exclusividade dos EUA.

Acho que é tempo de refletir: em que medida me situo no meio em que vivo? Em que medida minha tolerância e empatia superam as minhas crenças ideológicas e religiosas?

O mundo só muda quando mudamos e mais do que nunca é preciso revermos aquilo que nos torna humanos, ou corremos o risco de nos olharmos no espelho e vermos refletido apenas a sombra de um palhaço laranja….

 

 

 

 

 

 

 

 

O dia depois de amanhã e o início da era Trump

Meu café que me acompanha agora está amargo, assim como meus pensamentos. Não é fácil acordar depois de uma tremenda ressaca emocional, onde eu vi vencer o racismo, o machismo e a misoginia. Mas é preciso erguer a cabeça e ver a figura inteira: como chegamos até aqui e para onde iremos depois?

Donald Trump venceu democraticamente e legitimamente, por pouco menos da metade dos votos. O sistema eleitoral americano, que é completamente diferente do brasileiro, o elegeu através da maioria ganha nos colégios eleitorais. Isso indica que os EUA está dividido, rachado ao meio entre dois pensamentos completamente diferentes.

Essa mesma polarização aconteceu na Inglaterra, na Itália, em Israel e no Brasil, entre tantos outros lugares… Trata-se de um fenômeno atual e global. Não existe mais meio termo, pessoas estão se amotinando atrás de suas crenças, deixando nenhum espaço para a conciliação.

No primeiro dia após o resultado da eleição, esse efeito devastador já pôde ser observado em atitudes execráveis ao longo do país. Alunos de uma High School da Pensilvânia marcharam durante o refeitório e gritando: construa o muro!  Eles carregavam placas do Trump, enquanto outros alunos latinos, asiáticos e imigrantes em geral ficaram acuados de cabeça baixa.

A filha de 8 anos de um conhecido meu, eleitor de Trump, foi para a escola pública em Maryland e foi questionada por sua professora em quem seus pais votaram. Quando a resposta foi Trump a professora começou a gritar com a menina, sendo apoiada por outra professora. Pais que estavam no corredor tiveram que entrar na sala para acalmar os ânimos.

Vários fatos, tristes como esses, já começaram a acontecer no primeiro dia da era Trump e podem ser facilmente encontrados na internet. Milhares já se programam para protestar contra o novo presidente e milhares já se preparam para defendê-lo. O clima é tenso, hostil e infelizmente não vai melhorar….

Passei boa parte da noite pensando e lendo tudo o que podia para tentar encontrar respostas. Cheguei a algumas conclusões, ainda muito cruas, que queria dividir aqui.

Graças à internet e sobretudo ao Mark Zuckerberg o mundo mudou! Todas as nossas relações mudaram completamente mas continuamos a ser educados a pensarmos em moldes que não fazem o menor sentido hoje. Felizmente, agora um número infinitamente maior de pessoas ao redor do mundo tem acesso à informação. Basta um clique de qualquer celular e você estará assistindo ao vivo pessoas falando de Bangladesh, se você quiser.

O problema – grave –  é que com a democratização massiva da informação, podemos filtrar aquilo que nos alimenta. Dificilmente perderemos nossos minutos de navegação diária para lermos a respeito daquilo que não aceitamos. Um exemplo prático para qualquer brasileiro: eleitores da Dilma e do PT jamais usarão como fonte de informação o blogue do Reinaldo de Azevedo. Da mesma forma que seguidores do Rodrigo Constantino jamais lerão os textos de Jean Willis.

E assim vamos nos aprisionando em uma bolha perigosa, que só reforça nossas convicções e nos faz acreditar em certezas distorcidas da realidade. O ódio vem na sequência e tudo que é diferente daquilo que eu acredito passa a ser visto como abjeto e desprezível.

É um perigo! Eu mesma caí nessa bolha, quando me opus veemente à reeleição de Dilma no Brasil. Fui rasa, fui parcial e me alimentava só de informações que me diziam o que eu acreditava. Foi através da dor de viver em outra língua e ser obrigada a conviver em uma realidade muito diferente  que me fez ver o quanto a gente cresce na diversidade e o quanto nossos pontos de vista podem ser estreitos.

Nesse momento, por mais que seja difícil,  é preciso pensar: Será que a metade dos eleitores americanos, que são pró Trump, estão totalmente desprovidos de suas razões? O maior exercício de humanidade é colocar-se na pele do outro e cada vez menos fazemos isso.

Não sou imparcial e tenho  também minhas próprias convicções, seguem algumas:

  • não sou religiosa e critico racionalmente a fé cristã (já perdi amigos por isso L )
  • defendo o aborto e o direito de escolha das mulheres (apesar de nunca cogitar em fazê-lo, sendo essa a minha escolha)
  • aplaudo a diversidade e o casamento homossexual, assim como a liberdade sexual de qualquer pessoa
  • sou a favor da democracia e ainda que ela traga resultados amargos, como os dessa eleição, ela é o sistema mais justo criado pelo homem
  • sou absolutamente contra qualquer arma de fogo e defendo a restrição absoluta das mesmas

Poderia continuar essa lista infinitamente e nem assim estaria falando verdades mas apenas expondo o meu ponto de vista! Percebem a diferença entre opinar e catequizar?

Respeito e estou completamente aberta à discussão de argumentos contrários a qualquer um dos itens que escrevi acima, mas infelizmente sei que muitos, depois dessas minhas afirmações, passarão a me ignorar solenemente.

Eu sigo firme na minha maior defesa: ter liberdade para fazer minhas escolhas ideológicas, pessoais e políticas, sem cercear e agredir os diferentes e nem permitir que me agridam.

Parece utópico demais pensar que um dia esse consenso irá existir, mas o contrário disso está apenas nos arrastando para as trevas que o mundo assiste hoje.

Permita-se ler e se informar em fontes diferentes das que te agradam, aproveitando o privilégio de ter acesso a toda e qualquer informação.  Você pode se surpreender positivamente! Isso ontem aconteceu comigo, quando um crítico ferrenho à campanha da Hillary Clinton me apontou motivos incontestáveis para a vitória de Trump.

É preciso sair da bolha, é preciso ouvir o outro, é possível darmos as mãos e pensarmos na construção de um mundo menos cruel. Precisamos mais do que nunca de pontes ao invés de muros….

Vamos todos tomar um trago de esperança?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑